MOSSORÓ

NÃO TENHO AMOR, NEM PAIXÃO POR MOSSORÓ, E SIM, TENHO OBSESSÃO PELA TERRA DE SANTA LUZIA – STPM JOTA MARIA, JOTAEMESHON WHAKYSHON, JULLYETTH BEZERRA, JOTA JÚNIOR E JÚLIA MELISSA – MOSSORÓ-RN

DEUS É FIEL

DEUS É FIEL
O POUCO COM DEUS É MUITO E O MUITO SEM DEUS É NADA!!! - AMO A DEUS SOBRE TODAS AS COISAS, COMO AMO AO MEU PRÓXIMO COMO A MIM MESMO

SEGUIDORES DO BLOG ACHE TUDO MOSSORÓ

BLOGS DO PORTAL TERRAS POTIGUARES NEWS

PORTAL NOSSORÓ

PORTAL NOSSORÓ

MOSSORÓ ANTANHO

MOSSORÓ ANTANHO

MOSSORÓ SAÚDE

MOSSORÓ SAÚDE

domingo, 30 de julho de 2017

ESCRITOR MOSSOROENSE JOÃO ALMINO TOMA POSSE DA CADEIRA 22 DA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS



Da ABL
O embaixador e escritor potiguar João Almino tomou posse na Cadeira 22 da Academia Brasileira de Letras (ABL), dia 28 de julho de 2017 (sexta-feira), em solenidade no Salão Nobre do Petit Trianon. O novo Acadêmico foi eleito no dia 8 de março deste ano, na sucessão do Acadêmico e médico Ivo Pitanguy, falecido no dia 6 de agosto de 2016.
Em nome da ABL, a Acadêmica e escritora Ana Maria Machado fez o discurso de recepção. Antes, José Almino discursou na tribuna. A seguir, assinou o livro de posse. Logo após, o Presidente da ABL, Acadêmico e professor Domício Proença Filho, convidou o Acadêmico e professor Arnaldo Niskier (segundo a tradição, o decano presente) para fazer a entrega da espada; o embaixador e historiador Alberto da Costa e Silva para fazer a aposição do colar; e o Acadêmico e embaixador Geraldo Holanda Cavalcanti para entregar o diploma. O Presidente, então, declarou empossado o novo Acadêmico.
Os ocupantes anteriores da cadeira 22 foram: Medeiros e Albuquerque (fundador) – que escolheu como patrono José Bonifácio, o Moço –, Miguel Osório de Almeida, Luís Viana Filho e Ivo Pitanguy.
O novo Acadêmico assegurou em seu discurso a preocupação com a literatura, lembrou o inconformismo de seus antecessores e a importância de não se perder de vista o compromisso social ou político:
“A literatura, não é feita para apaziguar o espírito, mas para aguçá-lo. Não é feita para opinar, expor demonstrações ou resolver problemas, o que cabe melhor noutras formas de expressão.
Os romancistas podem alienar a verdade em troca de uma boa frase quando esta revela a verdade mais profunda da própria ficção. Se o poeta é um fingidor, imagine o ficcionista! Embora nesse trabalho de invenção possam ser incluídos registros e documentos, isso não é o cerne da obra de ficção.
Seu compromisso não é com a conjuntura, dinâmica pela natureza; nem com a verdade factual, mutável com o surgimento de novas informações. É com a história não oficial, alternativa ou subterrânea e deve ir além da verdade e da realidade, sob pena de perder sua dimensão de fantasia, que traz em si forma peculiar de transmissão de conhecimento.
Dois e dois nem sempre são quatro e não só por formarem o número da cadeira que comento. Nem todos os meus antecessores tiveram obra engajada no sentido estrito, mas todos foram inconformistas. Seus trabalhos não perderam de vista o compromisso social ou político, o que não deveria jamais faltar num país com alarmantes índices de educação e de pobreza e com desigualdades sociais, raciais e regionais extremas”.
“É sobretudo ao romancista que a Casa de Machado de Assis abre as portas, acolhendo uma escrita de ficção que começou a ser publicada na década de 1980. (...) nesta casa, por enquanto, eu vinha sendo a única outra representante dos ficcionistas que estrearam nesse momento em nossa literatura.
Essa coincidência talvez nos faça compartilhar um entendimento por dentro do que significava se lançar às feras e aos leitores naquele momento. Insistir no poder da linguagem ficcional. Reiterar a fé na capacidade e na força da ficção para mergulhar na natureza humana, na complexidade social, no entendimento histórico em seu direito e avesso. Algo que poderia parecer ultrapassado e extemporâneo na ocasião em que, mais do que nunca, se insistia em dar a morte do romance como inquestionável, associada ao inescapável fim da História com H maiúsculo, como Francis Fukuyama logo enterraria na virada da década.
A partir desse detalhe biográfico compartilhado, faço um convite aos presentes, para que nos acompanhem em um momento de rememoração e reflexão, a partir de um mergulho nas águas da História recente do nosso país, balizadas por algumas datas que ajudam a situar a trajetória do acadêmico que agora recebemos”, afirmou Ana Maria Machado.
A Acadêmica rememorou as campanhas pela Anistia, pelas Diretas, pela eleição de Tancredo Neves: “Anistiados, após anos de desterro e saudade, os exilados começaram a voltar ao país. E logo estavam escrevendo seus testemunhos, numa sucessão de vigorosas narrativas, constituídas por depoimentos disputados por leitores curiosos, ávidos de saber mais sobre uma realidade cujo conhecimento lhes fora negado por tantos anos de censura a esconder segredos. A esse novo cardápio editorial se somaram reportagens de fôlego e relatos de história recente. Chegar à literatura nos anos 80 do século XX no Brasil significava, portanto, ir na contramão do intenso trânsito cultural dominante, que corria vertiginoso em direção aos fatos duros e comprováveis de um novo mundo que começava. Exigia coragem para enfrentar os riscos de ser ignorado e incompreendido”.
Ana Maria Machado reafirmou, ainda, a celebração da literatura: “Nesse entendimento profundo e íntimo da alteridade, a leitura de romances nos dias de hoje, como sempre, continua a contribuir para a consolidação de uma democracia enraizada em território comum, multiplicado dentro de cada indivíduo livre e único, mas ao mesmo tempo aberto a seus semelhantes e a todos os que lhe são diferentes. Uma forma de conhecimento emocional ao vivo do que cada um dos outros, diferente de nós, pode sentir. Um modo de estabelecer vínculos fraternos entre os seres humanos.
Uma maneira rica de reforçar denominadores culturais comuns, que sublinhem laços de solidariedade e pertencimento, vínculos que permitam ao mesmo tempo sonhar com utopias e reparações, ter consciência de erros e crimes – atuais ou históricos - ou, ainda, de purgar ressentimentos ou vergonhas de um passado coletivo, que não vivemos individualmente em nossas biografias individuais, mas que continuam a marcar nossa vida conjunta em nossos dias. Otimisticamente, essa experiência única de vivência complexa, que só a literatura é capaz de nos dar, se multiplicada por números crescentes de leitores, talvez possa até ser um modo de limitar os cultos sectários, as certezas fundamentalistas e a exacerbação do “nós contra eles” que cada vez mais parecem ameaçar nosso tempo”.
O NOVO ACADÊMICO
João Almino nasceu em Mossoró, no Rio Grande do Norte, em 1950. É conhecido sobretudo pelos seguintes seis romances, aclamados pela crítica e cujas histórias se passam em Brasília: Ideias para onde passar o fim do mundo(Brasiliense, 1987; editora Record, 2003); Samba-Enredo (Marco Zero, 1994; editora Record, 2012); As cinco estações do amor (editora Record, 2001); O livro das emoções (editora Record, 2008); Cidade Livre (editora Record, 2010) e Enigmas da Primavera (editora Record, 2015)
FONTE – JORNAL DE FATO

terça-feira, 27 de junho de 2017

ROSALBA CIARLINI ROSADO



ROSALBA  CIARLINI  nasceu em Mossoró, Rio Grande do Norte, em 26 de outubro de 1952.
Filha de Clóvis Monteiro Ciarlini e Maria da Conceição da Escóssia Ciarlini (Conchecita), é casada com o ex-deputado Carlos Augusto Rosado e mãe de Carla, Marlos, Lorena e Carlos Eduardo . É avó de Carlos Augusto , Sofia, Charlotte, Phillipe e Letícia.
Estudou o primário em Mossoró, no Colégio Dom Bosco. Aos 12 anos de idade fez o exame de admissão e foi cursar o ginasial em Fortaleza, época em que presenciou um dos momentos mais críticos do país: o golpe militar de 31 de março de 1964. Ainda na capital cearense, estudou nos Colégios das Dorotéias e Batista.
Graduou-se em Medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), tendo cursado os três primeiros anos na Universidade Federal da Paraíba (UFPB), onde prestou vestibular, em 1971. Fez residência em pediatria.
Exerceu como médica diversos cargos administrativos. Foi diretora da Comunidade de Saúde de Mossoró, diretora do Hospital Regional Tarcísio Maia, em 1987; fundadora da nimed/Mossoró e a primeira mulher presidente da Cooperativa no Brasil, tendo exercido o cargo de 1980 até 1985. Primeira prefeita eleita de Mossoró, eleita em 15 de novembro de 1988. Foi eleita a primeira senadora potiguar. Foi governadora do Estado e está no quarto mandato de prefeita de Mossoró

domingo, 25 de junho de 2017

MORRE O EX-DIRETOR DA RÁDIO DE DIFUSORA JOSÉ PRAXEDES FERNANDES JÚNIOR



24/06/2017 – Faleceu o radialista José Praxedes Fernandes Júnior, natural de Mossoró-RN, 06 de fevereiro de 1968, filho de  José Praxedes Fernandes e Francisca Francinete Feitosa Praxedes. Ex-diretor da Rádio Difusora de Mossoró.
FOTO – HOJE MOSSORÓ

sexta-feira, 23 de junho de 2017

REUNIÃO COM O COMANDANTE GERAL DA PMRN EM MOSSORÓ




23/02/2017 – Hoje pela manha o Cel PM André Luiz Vieira de Azevedo, comandante Geral da PMRN esteve  reunido com  policiais militares ativos e inativos de Mossoró e região, no Auditório da Faculdade de Medicina de Mossoró, quando falou por 2 horas, relatando a situação atual da gloriosa e amada Polícia Militar, principalmente no que diz respeito aos assassinatos contra policiais  militares e do concurso para a PM com mil  novos policiais militares, como também disse que o Governo do Estado está virando a página da violência no Rio Grande do Norte

Comandante Geral fiscaliza o emprego da PMRN no Mossoró Cidade Junina




22/06/2017 - O Comandante Geral da Polícia Militar do Estado do Rio Grande do Norte, Coronel PM André Luiz Vieira de Azevedo, acompanhado do Cel PM Elyause Moreira, Cmt da Regional um, e do maj PM Maximiliano, Cmt do 2º BPM, o emprego do efetivo da polícia Militar no Mossoró cidade Junina.

Durante a visita de fiscalização, o Comandante Geral cumprimentou a prefeita Rosalba Ciarline, o General Eliéser Girão, Secretário Municipal de Segurança Pública, Defesa civil, Mobilidade Urbana e Trânsito, além de outras autoridades locais. Conversou com diversos policiais militares que estavam empregados na segurança do evento, proporcionando tranquilidade e a manutenção da ordem pública aos frequentadores daquele espaço junino.

Em suas palavras a tropa, agradeceu o empenho de todos e reforçou o compromisso da polícia militar, em servir e proteger.
FONTE – SITE DA PMRN

QUEM SOU EU

Minha foto
AMO A NOSSA QUERIDA E AMADA CIDADE DE MOSSORÓ, ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, SITUADA NA MESORREGIÃO OESTE POTIGUAR, TERRA DE SANTA LUZIA

ARQUIVO DO BLOG

MÚSICA

MÚSICA
COM 6 FAIXAS E 223 MÚSICAS

ACHE TUDO RN AQUI

ACHE TUDO RN AQUI

PORTAL TERRAS POTIGUARES NEWS

PORTAL TERRAS POTIGUARES NEWS
COM 50 BLOGS E MAIS DE 2 MIL LINKS

STPM JOTA MARIA

STPM JOTA MARIA
HONESTIDADE, HUMILDADE E SINCERIDADE

DE "A" A "E"

MISS

MISS

RANCHO

RANCHO

HOSPITAL R. FERNANDES

HOSPITAL R. FERNANDES

DELEGACIA DA CRIANÇA

DELEGACIA DA CRIANÇA
MOSSORÓ

BANDA DO 2º BPM

BANDA DO 2º BPM

COMANDO

COMANDO

MOTORISTA

MOTORISTA

SUB CMT

SUB CMT

CADEIA

CADEIA

IBAMA

IBAMA

HOSPITAL VETERINÁRIO

HOSPITAL VETERINÁRIO

TEATRO DIX-HUIT

TEATRO DIX-HUIT

2º BPM

2º BPM

P/1

P/1

P/2

P/2

SARGENTEAÇÃO DO 2º BPM

SARGENTEAÇÃO DO 2º BPM
MOSSORÓ

P/3

P/3

P/4

P/4

CORREDOR CULTURAL

CORREDOR CULTURAL

2ª URSAP - MOSSORÓ

2ª URSAP - MOSSORÓ

SARGENTEAÇÃO

SARGENTEAÇÃO

TESOURARIA

TESOURARIA

IFRN - MOSSORÓ

IFRN - MOSSORÓ

POLÍCIA FEMININA

POLÍCIA FEMININA

CÂMARA MIRIM DE MOSSORÓ

CÂMARA MIRIM DE MOSSORÓ

CIOSP

CIOSP
MOSSORÓ

GARAGEM

GARAGEM